Categorias

Monstro abusa de bebê de 3 anos que se perdeu da mãe em shopping


Revolta! Essa é a expressão que mais aparece nos comentários de todas as mídias que publicaram esse terrível caso de abuso dentro de um shopping.

O segurança de uma shopping, identificado como Mohammad Hassan Al Bayati, 30 anos, abusou sexualmente de uma menina de 3 anos de idade e depois discutiu com a mãe da criança.

O crime aconteceu em 2016 no shopping em Sidney na Austrália poucos dias antes do Natal. o segurança aproveitou o momento em que a mãe se afastou das filhas, ela deixou a bebê por um momento com a filha mais velha de 7 anos no parquinho do shopping e foi a uma loja. A pequena se afastou da irmã maior.

Publicidade

A informação de que uma criança estava perdida no shopping foi o que o segurança usou para pegar a menina pequena e andar com ela pelos corredores, então ele levou a criança para a parte interna das escadas onde ele sabia não ter câmeras e segurança, depois levou a menina de volta ao parquinho e viu que a mãe procurava pela filha.

O homem chamou a atenção da mãe dando uma bronca por ter deixado duas crianças sozinhas. Mais tarde, quando mãe e filhas estavam em casa, a menina contou para o pai o que o segurança fez com ela, ela disse que ela mostrou o pênis, ela chamou e agulha e colocou a mão na calcinha dela e tentou beijar o bumbum da criança. A família acionou a polícia. A audiência de julgamento do segurança aconteceu na última terça-feira, ele foi condenado a 4 anos de prisão, mas pode recorrer.

“O segurança ter dado um sermão na mãe sobre os riscos de se deixar uma criança sozinha no parquinho, sendo que o maior risco era ele, para mim é revoltante demais”, disse o juiz no julgamento.

A menina está recebendo acompanhamento psicológico, mas a mãe acredita que ainda vai levar muito tempo para se recuperar. “Nossa família tranquila foi destruída e nunca mais será a mesma. Eu tenho muito orgulho da minha filha por ter conseguido contar para a polícia o que aconteceu, apesar do trauma terrível”, disse a mãe na audiência de julgamento.


Comentários: